Ser[tão] Cerrado

1524626_10204573941775343_4159155055158404647_n

“A vida da gente dá sete volta – se diz. A vida nem é da gente…” – Foto: Vinicius Mazzon


Ainda escuto pulsante

a folia.
Vozes velhas, violadas,
sabedoria.

A benza com ramo vivo,
eu sinto.
Tão ser grande esse cerrado,
l
abirinto.

“Poeira dentro da gente”
comi.
Onde nasce o olho d’água,
eu vi:

Mistérios de Diadorim,
a essência.
Como a força dessas matas:
resiliência.

Sertão que não nos deixa
sozinhos.
Travessia de si, de nós:
caminhos.

[poesia dedicada ao cerrado dos Gerais, inspirada no Caminho do Sertão]

Keyane Dias
06.08.14 – Taguatinga (DF)


.

4 comentários sobre “Ser[tão] Cerrado

  1. Estou encantado pela forma como você escreveu sobre o cerrado. Sou de Tocantins e sou grato por tudo o que li aqui. Sinto muito orgulho das pessoas dessa terra e do quanto as árvores são incríveis e por isso eu derramei lágrimas ao ler tantos versos lindos. Muito obrigado. Que Deus te abençoe.

    • Oi, Danilo! Me alegro imensamente com a sua mensagem! Essa terra toca profundo na gente mesmo. bençãos divinas pra ti também! Grata pela visita!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s