Senhora

.
Mora dentro de mim uma velha

Por mais que o acaso fértil do destino
Me presenteie com jeitos de moça
É a velha quem canta, dança, cozinha, observa

Os segredos que ela guarda
Minha moça tão pouco conhece
Só às vezes
Em con[tato]
As duas se tocam pelo olhar
Em um jardim oculto e visceral

Se bem me lembro
Chamam isso de intuição

A velha mora dentro
A velha mora fora
Ela sempre quer sair
Até parir a si mesma
Totalmente
No despontar dos meus cabelos brancos.

Keyane Dias
23.10.14 – Samambaia (DF)

artworks-000054596049-20uq90-t500x500

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s