Afundo

descanso .
Eu não sei nadar nas águas
E faz tempo que eu tento
Mas parei de tratar isso
Com meu auto-julgamento
Fui é conversar com o rio
Pra buscar entendimento

Numa conversa a duas
Eu e a nobre natureza
Me calei feito menina
Ouvi a tenta a sutileza
Vi meu medo pegar fogo
Na verdade da pureza

De novo mergulhei dentro
Em vez de nadar no rio
E aqui vi tanta coisa
Atravessando meu vazio
A fundura dentro da gente
É poço que dá arrepio

Mas essa história de afunda
Em breve vira passado
Já conheço as minhas águas
Ouça, medo, o meu recado
Ainda te jogo nos rios
Onde tu serás amado.

Keyane Dias – Por águas azuis do Cerrado, na seca de junho (2015)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s