DESAVERSOS (POESIAS)

Hiato

Tomada de lonjuras
Fui lambida por silêncios
Sucumbindo essa errância
De ter sempre o que dizer

E, ainda que eu diga,
Insiste um silêncio nu
No hiato das palavras
Escondidas do querer

Eu bem queria
Mas prefiro a poesia
Que não tem despertador

Dessas que, bem cedo,
Te acordam pelo peito
Pra despetalar a dor.

Abril / 2020

Foto: @marianacvcabral

.

DESAVERSOS (POESIAS)

Lançamento: Oráculo Poético

.
A poesia é um céu aberto de conexões e liberdade, uma linguagem atemporal conectada com a mente, a alma e o corpo por inteiro. Para mim, um caminho de autocura. Atendendo a uma vontade antiga aqui do peito e a pedidos de muitos leitores, nasce o Oráculo Poético, nova publicação autoral e independente, com arte gráfica da parceira ilustradora Nara Oliveira.

No Oráculo Poético, você encontra uma guiança simples para nutrir os seus dias com palavras mensageiras, poesias recebidas no chão de saberes ancestrais e em caminhos onde o sagrado é bem-vindo e respeitado. Os versos selecionados integram alguns poemas já publicados e outros inéditos, que ganharam o formato de carta para você consultar quando quiser.

O Oráculo é composto por:

  • 28 cartas poéticas
  • 1 carta adesiva ilustrada
  • 1 folder de apresentação
  • 1 caixinha para acolher as cartas
  • 1 saquinho de organza para você carregar a caixinha protegida

E porque não tem livro de apoio?
Porque a poesia é livre e diversa em significados. Não há leitura pré-definida de cada carta. É para sentir, interagindo os versos que você tirar com a sua própria poesia interna. O sentido quem dá é você.

Como funciona?
Simples! Você embaralha as cartas, silencia, respira, sintoniza com uma intenção e tira uma carta que trará uma mensagem poética para o seu dia.

Venda aberta para todo o Brasil. Para compras coletivas com desconto, entre em contato: keyane.aflora@gmail.com.

FAÇA SEU PEDIDO AQUI.

WhatsApp Image 2020-04-23 at 08.47.15
WhatsApp Image 2020-04-23 at 08.46.26
WhatsApp Image 2020-04-23 at 08.46.56
DESAVERSOS (POESIAS)

Palavras Mensageiras – novo cordel

Salve, gente!

Pouco antes de entrarmos em quarentena global, finalizei o feitio de mais um livreto de literatura de cordel, o Palavras Mensageiras. Como não podemos nos encontrar presencialmente até tudo isso passar (pra cuidar da gente e do próximo), senti de fazer o lançamento virtual e disponibilizar o PDF aqui, na íntegra.

O livreto tem licença Creative Commons, portanto, fica à vontade para ler, repassar o link, baixar, imprimir e multiplicar o cordel por aí, sempre respeitando a ideia de manter a autoria do que for divulgado. É pra gente!

Em Palavras Mensageiras, sentimentos e indagações humanas, femininos, manifestos e sagrados são versados em martelo agalopado, métrica da poesia popular criada por cantadores repentistas e cordelistas do Nordeste brasileiro.

Ilustração de capa: Nara Oliveira.

Clique na imagem para fazer o download

DESAVERSOS (POESIAS)

Altar

Acenderei mil velas
Firmarei meu ponto
Antes que o pranto
Dos desassossegos vis
Afogue meu rezo
Naquilo que não é meu

Quase nada é meu
Tão pouco seu
A não ser o rezo
O gozo do presente
E aquela intuição
Que dentro se sente

Por isso, acendo velas
Pra iluminar o canto
Do avesso das certezas
Que o tempo engoliu

E louvo
No altar do agora
A Santa Simplicidade
Que sempre nos sorriu

Janeiro / 2020

Ilustração: @lunarlilt

DESAVERSOS (POESIAS)

, presentes!

Nenhuma a menos
É um grito necessário
Olha no noticiário
Ainda ousam nos matar
Pois gritaremos
E nem chame de exagero
O machismo é um vespeiro
Mas você vai escutar

O nosso canto
Nossa força, nosso grito
Nossa luta, nossos ritos
Até depois disso acabar
Nós despertamos
O silêncio foi quebrado
E os direitos conquistados
São passos do caminhar

Continuamos
Por todas e pela vida
Por Magô e Margarida
Por Mariele, presente
Transformaremos
Nossa dor em rebeldia
Até que a covardia
Sussurre longe: ausente.

Janeiro/2020


Maria da Glória Poltronieri (Magô) foi assassinada no dia 26 de janeiro de 2020, em Maringá (PR). Foi vítima de feminicídio em um momento de rito e de conexão da sua alma com a natureza. Infelizmente, mulheres ainda são violentadas todos os dias. Não conheci Magô, mas falo dela aqui pela proximidade com a Capoeira e amigos em comum. Por ela e por todas, em todos os cantos do mundo, cantamos, poetizamos, rezamos, pintamos e gritamos: #paremdenosmatar.

Arte: Gabriela Tornai

DESAVERSOS (POESIAS)

Lar

Saúde mesmo é ter amor
Dentro
Fora
E lá, onde ninguém vê

E quando a doença
Em ti aparecer
Convoque a presença
Que sustenta teu ser

Pois doença é desatino
Esquessência de si
É o afastamento
De onde a alma quer ir

Mas se tu bem olhar
Sem pressa e sem medo
Verá que a doença
Sempre conta um segredo

Escuta, aceita
E deixa ela ir
Aprendendo a lembrar
De cuidar bem de si

E celebra
A ciência da tua vida
Pois saúde é ser amor
E, com ele, não há partida.

Índia – Fevereiro/2019