ESCRITURAS

Altar

Acenderei mil velas
Firmarei meu ponto
Antes que o pranto
Dos desassossegos vis
Afogue meu rezo
Naquilo que não é meu

Quase nada é meu
Tão pouco seu
A não ser o rezo
O gozo do presente
E aquela intuição
Que dentro se sente

Por isso, acendo velas
Pra iluminar o canto
Do avesso das certezas
Que o tempo engoliu

E louvo
No altar do agora
A Santa Simplicidade
Que sempre nos sorriu

Janeiro / 2020

Ilustração: @lunarlilt
ESCRITURAS

, presentes!

Nenhuma a menos
É um grito necessário
Olha no noticiário
Ainda ousam nos matar
Pois gritaremos
E nem chame de exagero
O machismo é um vespeiro
Mas você vai escutar

O nosso canto
Nossa força, nosso grito
Nossa luta, nossos ritos
Até depois disso acabar
Nós despertamos
O silêncio foi quebrado
E os direitos conquistados
São passos do caminhar

Continuamos
Por todas e pela vida
Por Magô e Margarida
Por Mariele, presente
Transformaremos
Nossa dor em rebeldia
Até que a covardia
Sussurre longe: ausente.

Janeiro/2020


Maria da Glória Poltronieri (Magô) foi assassinada no dia 26 de janeiro de 2020, em Maringá (PR). Foi vítima de feminicídio em um momento de rito e de conexão da sua alma com a natureza. Infelizmente, mulheres ainda são violentadas todos os dias. Não conheci Magô, mas falo dela aqui pela proximidade com a Capoeira e amigos em comum. Por ela e por todas, em todos os cantos do mundo, cantamos, poetizamos, rezamos, pintamos e gritamos: #paremdenosmatar.

Arte: Gabriela Tornai
ESCRITURAS

Lar

Saúde mesmo é ter amor
Dentro
Fora
E lá, onde ninguém vê

E quando a doença
Em ti aparecer
Convoque a presença
Que sustenta teu ser

Pois doença é desatino
Esquessência de si
É o afastamento
De onde a alma quer ir

Mas se tu bem olhar
Sem pressa e sem medo
Verá que a doença
Sempre conta um segredo

Escuta, aceita
E deixa ela ir
Aprendendo a lembrar
De cuidar bem de si

E celebra
A ciência da tua vida
Pois saúde é ser amor
E, com ele, não há partida.

Índia – Fevereiro/2019

ESCRITURAS

Flor

(No espelho d’água,
o céu deita sobre a lótus)

 Quanto de amor
Habita na flor
Que só desabrocha
Sem nada a temer

E o mesmo amor
Que alumia a dor
De quem vê a luz
Onde ninguém vê

Será que esse amor
Que sustenta a flor
Sabe que a dor
Já me fez crescer?

Ou será que a dor
Transcendida em flor
Casou-se com o amor
E fez tudo nascer?

Key Dias
Índia – Fevereiro/2019

ESCRITURAS

Respiros

Renove
O que te move
Pra fazer da presença
Estrada livre a percorrer
E ainda que queiras
Viver sempre o mesmo
Repare que tu mesmo
Não é o mesmo que achou ser

Recria
O que te inspira
Pra fazer da beleza
A simplicidade do teu ser
E ainda que insista
Em ver a vida com dureza
Repare que a beleza
É maior que o que se vê

Celebra
A tua entrega
E faz da confiança
A linguagem do viver
E ainda que a descrença
Apareça ao meio-dia
Repare que a alegria
Sempre espera por você

Key Dias
Índia — Fevereiro/2019