Dois livros vindo aí!!!

Salve, gente. Ando sumida. Muitas coisas acontecendo na vida e muito trabalho para materializar alguns sonhos, como o sonho de publicar um livro. E, hoje, passo aqui para agradecer a todas e todos que contribuíram (de vários jeitos) na campanha de financiamento coletivo para publicar meus dois livros de poesia. DEU CERTO!!!

Ao todo, arrecadamos R$ 8.985 dinheiros! Com esse valor, vou publicar o ‘Atraverso”, pela Chiado Editora, e também vou custear parte da impressão do livro independente “Travessias”. São mais de 10 anos de escrita e a publicação desses dois livros celebra meus 30 anos, que tão chegando, e o percorrer de novos caminhos que se abrem e de novas escritas que nascem e me atravessam.

Agradecimento especial à minha família, que deu um super apoio em vários momentos; à querida Nara Oliveira, por nossa parceria fina entre palavras, cores e formas. Ela assina as ilustrações dos livros. E também ao pareia Davi Carvalho de Mello, por todo seu apoio na divulgação desse sonho cheio de movimento. 🌷

Foram 110 benfeitores!!!!! É tanta gente que me perco de alegria. Fazer uma campanha de financiamento coletivo foi uma das experiências mais lindas que vivi. É muito amor envolvido. As pessoas realmente acreditam em sonhos e apoiam, não só com $$, mas com palavras, com incentivo, com reconhecimento verdadeiro. Uma prova da esperança que nunca perdi na nossa humanidade. Em tempos difíceis, compartilhemos nossos sonhos!

E a todxs que contribuíram, minha eterna gratidão!!! Logo logo, os livros estarão publicados e chegarão até vocês com muito amor! Confira o sucesso da campanha.

Financiamento coletivo para publicar dois livros

Saudações, queridxs leitorxs!

Andei sumida aqui do blog e escrevendo um pouco menos para focar na editoração de um livro de poesias. Nesse processo, que foi de grandes aprendizados sobre ser escritora e sobre mim mesma, descobri que não tenho um, mas tenho dois livros para compartilhar com o mundo. Suei, trabalhei intensamente e, enfim, eles estão quase prontos.

Um será impresso de forma independente e se chama Travessias, onde apresento poesias nascidas de vivências com as culturas tradicionais do Brasil, escritas, a maioria, na métrica da poesia popular. O outro, chamado Atraverso, será publicado via Editora e é recheado de poesias em versos livres, conectadas com o silêncio, o sagrado, o tempo e a existência.

Para publicar as duas obras, criei uma campanha de financiamento coletivo no site Benfeitoria, onde você pode doar a quantia que desejar para colaborar com este sonho e, em contrapartida, receber recompensas maravilhosas na sua casa. Entre as recompensas, estão os próprios livros. É como uma pré-compra exclusiva das obras.

Para conhecer a campanha, colaborar e conferir as suas recompensas, é só acessar: www.benfeitoria.com/keyanedias

São quase 10 anos de escrita, oito anos de blog e três anos de autopublicação via zines e cordel. Agora, sinto que é hora de amadurecer o trabalho. Sinto no coração que a escrita está conectada com meu propósito de vida e, com coragem e entrega, me lanço nesse desafio de publicar duas obras. Há novos caminhos a percorrer na escrita e na vida e sinto que está na hora desses livros nascerem.

Conto com a colaboração de meus leitores, da família, dos amigxs e daqueles que apreciam a poesia e sentem o chamado de apoiar uma jovem autora. Ficarei honrada de enviar os livros em suas casas, com exclusividade e dedicatória do coração. Assista o vídeo abaixo e saiba mais sobre essa história!

Compartilha, me apoia! Conto com vocês!!

A dança

Se não queres a dança,
porque me pedes para bailar?

Não me basta suar o sexo
ou beber um efêmero cálice de Eros.

É com minha natureza
que danço o Amor,
para bailar a alquímica entrega
entre as almas livres
que permitem ser tocadas.

Se queres a dança,
vens despido e sem medo.
Eu também nada sei,
mas desejo.

Keyane Dias — maio/2018


“O erotismo está expulsando do mundo a poesia. A violência está destruindo a ternura. A sensualidade GROSSEIRA está vencendo a capacidade de gozar o sutil. Isso causa dores e desequilíbrios. Despertemos. Comecemos a reagir. Aprendamos a cultivar poesia, ternura e gozo espiritual. Sutilizemos, refinemos nossa sensibilidade. Tornemo-nos capazes para os prazeres não compráveis, invulgares, indescritíveis – os sublimes…”

— Professor Hermógenes

Metamorfose

.

Imagem: Pinterest

Você será várias borboletas de ti mesmo.
Viverá dezenas de metamorfoses.
Diferentes casulos farão de ti
ex-lagarta da lição bem aprendida.
Cada casulo terá cheiro de morte
e cada morte será vida renascente
das contradições amaduradas.

Você será lagarta outra vez.
Viverá o reinício das metamorfoses.
Diferentes lugares de ti mesmo
se transformarão em campos desconhecidos.
Cada campo terá cheiro de paciência
e cada dia paciente te trará a clareza
de entregar-se ao que for preciso.

Keyane Dias — março/2018

Esperança

.

Minha inquietude é filha da esperança,
esse colo luminoso onde abro os olhos
e vejo como as desnecessidades são menores
que a coragem que transforma.

Já que a vida é um pulsar,
me inquieto com os castelos de mesmices e medos,
carcaças onde habita a crença de que muros de pedra
e orgulho
protegem mais que o amor
e o respeito.

Quem sabe,
essa inquietude esperançosa seja ainda juvenil
ou mesmo inocente.
Pouco importa!
É dela que nasce a poesia metamórfica das borboletas,
a mudança insurgente do agora.

Keyane Dias — janeiro/2018

Já volto!

A quem me lê,

ando sumida aqui do blog para cuidar um pouco da vida offline, mas o processo criativo não para.
Logo em breve, retorno. E retorno com novidades.
Um livro novinho de poesias e contos tá vindo aí!

2018 de caminhos abertos para todxs!!!

Aceito

.

Pintura: Isabel Bryna

Tem um rasgo
onde engasgo meu peito
toda vez que me esqueço
que é preciso aceitar.
Aceitar
que por mais que eu invente,
que eu desista ou que eu tente
a dor sempre estará.

Pois a dor
que é da cor do invisível
é um sol disponível
querendo se mostrar.
É o parto,
a loucura, a serpente,
é humana, é poente,
é o rio quando é mar.

Keyane Dias — novembro/2017

Mútua

.
Se quiseres de mim
apenas o suor quente
pra sua conveniência,
serei vapor d’água e chuva,
em meu próprio jardim.

Mas se quiseres de mim,
na mesma medida que eu,
o prazer do leito além da borda,
serei rio aberto e molhado
sem medo do fim.

No raso não me encaixo,
no raso não sei dizer:
sim.

Key Dias — Outubro de 2017

Ilustração – gif: James R. Eads