ESCRITURAS

Lar

Saúde mesmo é ter amor
Dentro
Fora
E lá, onde ninguém vê

E quando a doença
Em ti aparecer
Convoque a presença
Que sustenta teu ser

Pois doença é desatino
Esquessência de si
É o afastamento
De onde a alma quer ir

Mas se tu bem olhar
Sem pressa e sem medo
Verá que a doença
Sempre conta um segredo

Escuta, aceita
E deixa ela ir
Aprendendo a lembrar
De cuidar bem de si

E celebra
A ciência da tua vida
Pois saúde é ser amor
E, com ele, não há partida.

Índia – Fevereiro/2019

ESCRITURAS

Flor

(No espelho d’água,
o céu deita sobre a lótus)

 Quanto de amor
Habita na flor
Que só desabrocha
Sem nada a temer

E o mesmo amor
Que alumia a dor
De quem vê a luz
Onde ninguém vê

Será que esse amor
Que sustenta a flor
Sabe que a dor
Já me fez crescer?

Ou será que a dor
Transcendida em flor
Casou-se com o amor
E fez tudo nascer?

Key Dias
Índia – Fevereiro/2019

ESCRITURAS

Respiros

Renove
O que te move
Pra fazer da presença
Estrada livre a percorrer
E ainda que queiras
Viver sempre o mesmo
Repare que tu mesmo
Não é o mesmo que achou ser

Recria
O que te inspira
Pra fazer da beleza
A simplicidade do teu ser
E ainda que insista
Em ver a vida com dureza
Repare que a beleza
É maior que o que se vê

Celebra
A tua entrega
E faz da confiança
A linguagem do viver
E ainda que a descrença
Apareça ao meio-dia
Repare que a alegria
Sempre espera por você

Key Dias
Índia — Fevereiro/2019

ESCRITURAS

A dança

Se não queres a dança,
porque me pedes para bailar?

Não me basta suar o sexo
ou beber um efêmero cálice de Eros.

É com minha natureza
que danço o Amor,
para bailar a alquímica entrega
entre as almas livres
que permitem ser tocadas.

Se queres a dança,
vens despido e sem medo.
Eu também nada sei,
mas desejo.

Keyane Dias — maio/2018


“O erotismo está expulsando do mundo a poesia. A violência está destruindo a ternura. A sensualidade GROSSEIRA está vencendo a capacidade de gozar o sutil. Isso causa dores e desequilíbrios. Despertemos. Comecemos a reagir. Aprendamos a cultivar poesia, ternura e gozo espiritual. Sutilizemos, refinemos nossa sensibilidade. Tornemo-nos capazes para os prazeres não compráveis, invulgares, indescritíveis – os sublimes…”

— Professor Hermógenes

ESCRITURAS

Metamorfose

.

Você será várias borboletas de ti mesmo.
Viverá dezenas de metamorfoses.
Diferentes casulos farão de ti
ex-lagarta da lição bem aprendida.
Cada casulo terá cheiro de morte
e cada morte será vida renascente
das contradições amaduradas.

Você será lagarta outra vez.
Viverá o reinício das metamorfoses.
Diferentes lugares de ti mesmo
se transformarão em campos desconhecidos.
Cada campo terá cheiro de paciência
e cada dia paciente te trará a clareza
de entregar-se ao que for preciso.

Keyane Dias — março/2018