Velh@s, enquanto jovens

.
Jovem, arranque pra fora de si o paradoxo da pressa.
Ninguém agarra o que ainda tem longa estrada a atravessar.
Jovem, perceba o que já caminhou para estar diante de ti.
Ninguém volta no tempo em busca das sobras do desperdiçar.
Jovem, ignore as ilusões fugazes que lhe ofertam.
Ninguém conhece a verdade trancafiado no desacordar.
Todavia, jovem, aceite a sua imaturidade sem culpa.
Ninguém vivido o bastante pode dizer que aprendeu sem errar.
.

Hand of Baby on Senior Hand

Key Dias – 05.01.12
.

A confiança flui

.
É preciso decifrar a linha tênue entre a confiança e a expectativa. Apesar de antagônicos, esses dois estados são comumente confundidos entre outros sentimentos e pensamentos que se abrigam na mente humana. É como se suas diferenças se dissolvessem e se misturassem. Separá-las novamente é uma chave.

Expectativa é a dor de rascunhar realidades irreais. Tramar e cansar a mente com anseios egóicos que tentam tirar nossa verdade do fluxo que nos colocou aqui, nesse estado vivencial de SER humano. Expectativa é como uma armadilha invisível que nos ocupa com fragmentos mentais desnecessários. Se entregar a eles é aceitar e provocar o distanciamento de tudo aquilo que tem que vir naturalmente. É correr o risco de se jogar na escuridão da decepção.

Confiar é acreditar no fluir do que precisamos receber e partilhar nessa nossa experiência de SER humano. É acreditar no que queremos, no que focamos, mas sabendo que a vida reserva caminhos que nem ao menos conseguimos imaginar e que muitas, muitas vezes, serão diferentes do que planejamos. Confiar é foco, é calma, é fé, é conexão. Na confiança não há decepção, não há sofrer, pois só nela mergulhamos na presença do viver, na presença da verdade interior, na presença universal, NÃO IMPORTA O QUE ACONTEÇA.

anja_confiar

Key Dias – 12.01.22
.

Confiar

.
Muitos fatos, situações ou pessoas ganham maior importância para nós de acordo com a energia e atenção que damos a el@s. É claro que existem coisas inerentemente importantes ou que, pelo menos, deveriam ser, como a família, os amigos, o cuidado com a própria saúde, o respeito a si e ao próximo. Por outro lado, certos itens da nossa vida terrena são pautados em escalas de importância que vamos criando com o passar dos anos. É aquela velha história: “priorize as prioridades”. E como as prioridades mudam com o tempo…

Nesse ano de 2011, o mais transformador que tive em meus atuais 22 anos de vida (quase 23, diga-se de passagem), pude vivenciar diversas situações que me colocaram diante de questionamentos do tipo: será que isso realmente me importa? Será que tal pessoa realmente merece tanta atenção e carinho? Será que isso realmente me pertence? Para alguns, as respostas vieram, para outros, não, e para a maioria dos meus questionamentos a resposta foi um simples e pontual: espere.

tempo1
Essa tem sido a minha missão atual, saber esperar. Porém, isso não equivale a ficar inerte e apenas aguardar pra ver o que vem adiante. Nada disso. Pelo contrário. Significa continuar a agir, focar, ter alvos certos, saber entender pra onde o fluxo da vida deve seguir. Tudo isso com a calma e a serenidade em entender que coisas acontecerão, mas nem por isso é preciso ansiedade por recebê-las. Pensar demais no que há de vir atrapalha o aproveitamento do que já veio e deve ser vivenciado.

E é nesse presente, no aproveitar o que está conosco, nesse instante que amanhã logo passará, onde devemos trabalhar o foco da nossa atenção sobre onde ou em quem compartilharemos energia (seja no campo físico, mental ou espiritual). Quando percebemos o sutil resultado em energizar algo, ou não, tudo se torna mais fácil de ser compreendido. E nada melhor que o tempo pra mostrar isso. Mas é preciso cuidado: não distribua bons sentimentos e boas energias apenas por esperar o mesmo em troca. Porque se assim for, não será verdadeiro. Mesmo que a semente do bem plantando hoje, com toda energia e atenção, não resulte em bons frutos imediatos, a colheita virá na hora certa e a safra será abundante.


Por falar em saber esperar, nada melhor que uma Oração ao tempo. “Caetanear o que há de bom”…

Publicado no antigo Além em 01.11.11
.

Entrevistas de poder

. “Devemos partir de uma concreta e correta compreensão do ser humano. Nós somos fruto de um processo de evolução que já tem 13,7 bilhões de anos. O Universo foi se expandindo, se autocriando e se auto-organizando, gestando cada vez mais complexidade, até, enfim, se darem as condições de emergência da vida. Nós somos um subcapítulo da vida, como vida consciente, inteligente e amante. Somos parte desse todo. Mais concretamente, somos a parte consciente e inteligente da Terra. Somos mais que filhos e filhas da Terra; somos a própria Terra em seu momento de sensibilidade, inteligência, amor, cuidado e espiritualidade. Por isso, a palavra homem vem de húmus, que significa “terra fecundada”. Nós pertencemos à natureza. Juntos, formamos uma unidade.”Leonardo Boff

“Apenas a experiência do autoconhecimento dá subsídios para que a pessoa possa distinguir quais vozes estão na diretriz da sua psique. Quem está no trono dessa consciência? São vozes de cobranças sociais, ecos de comandos paternos arraigados na mente? Ou são vozes da sua essência, clamores legítimos da sua alma? Todos nós temos que responder a essas questões. Para isso, é imprescindível fazermos um trabalho de realinhamento interno, por meio de uma terapia, de uma busca espiritual, da meditação, da arte. Há várias formas, todas voltadas para a criação de uma intencionalidade positiva, um estado de presença que nos ajuda a transformar nosso cotidiano num campo de realizações de tudo o que é bom e próspero. A humanidade é justamente essa alquimia de ser constante depuração, para, um dia, manifestar a sua essência, que é amor, inclusão e totalidade.” Chandra Lacombe

Pode soar um paradoxo, mas as grandes cidades são espaços maravilhosos para o aprendizado da presença, da paciência, pois o treinamento é incessante. Somos instigados o tempo todo a situações que exigem nosso retorno ao eixo do equilíbrio. Caso contrário, entraremos na confusão, na briga, no desacato. Uma coisa importante é exercitar o olhar, a observação. (…) Em outras palavras, não brigue com a realidade, querendo mudar as circunstâncias – saiba adequar-se a elas. E vamos com calma, observando, pois o que importa é o que está aqui, afinal, nem sei se vou chegar lá.” – Monja Cohen

* * *

palavras_de_poderSão reflexões como essas que o jornalista mineiro Lauro Henriques Jr. conseguiu extrair da mente “de grandes nomes da espiritualidade e do autoconhecimento”. Em seus livros Palavras de Poder – Volume Brasil e Volume Mundo, lançados em julho de 2011, Lauro apresenta entrevistas profundas e dinâmicas com 26 personalidades do campo espiritual de diversas linhas.

Comecei a ler o Volume Brasil ontem, dentro do ônibus, e a cada página lida, em meio à superlotação e ao trânsito engarrafado, eu soltava um sorrisinho tímido, daqueles que dizem: “esse livro tá falando comigo”. Foi uma hora de viagem e uma hora de diálogo entre os entrevistados e eu.

Em formato de entrevista, a leitura fica bem fácil e nada consativa, além de mostrar diferentes visões de mundo, que dialogam com unidade. Boa pedida para um primeiro contato com o tema do autoconhecimento e também para quem já tem uma busca espiritual definida e quer conhecer novas visões.

Quem quiser saber mais, segue a primeira parte da recém entrevista com Lauro Henriques Jr. no Provocações.

Publicado no antigo Além em 09.11.11 .