DESAVERSOS (POESIAS)

Epifanias gerais

– Como é o nome dessa flautinha mesmo?
– É pife, Seu Zeca. Conhece?
– Eu tenho uma, mas é diferente. Tenho uma que sopra na pontinha.
– Essa foi feita pelo Seu Zé, lá de Pernambuco. O senhor sabe tocar?

Ele não respondeu. Ele tocou! Tocou na embocadura de quem não precisa de técnica, de pormenores. Como se a força da epifania sertaneja nordestina também fosse sentida por lá, no sertão de Minas Gerais. Seu Zeca toca pife, sem nem saber o que é… Seu Zeca não toca música, toca o som. Os dedos enrugados dedilhando fora dos furos, o sopro descompassado rodopiando entre os dedos… Ao tocar, se alembrou da primeira vez que tinha ouvido e avistado essa flautinha, tocada por um jovem caminhante que por lá sempre passa. Nunca se esqueceu!

Seu Zeca toca. Toca sim! E o toque, que ressoa na ventoinha daquele canudo de taboca, dá pra ouvir nos olhos, dá pra sentir no sorriso de uma alegria genuína de quem tanto viveu que menino é. Quem dera eu, aprendiz de pife, ter a mesma sede livre de hesitações. Naquela manhazinha com cheiro de café, aprendi com ele, assim como aprendo com meus avós, com os velhos e velhas que me abraçam no viver. Sempre senti vontade de ser velha logo. Na verdade, já sou, em um lugar nem tão distante assim. Mas, com os velhos e velhas, tô aprendendo a ser jovem.

Salve Seu Zeca, que agora anda pelos areiais dos Gerais ressoando epifanias. O pife pernambucano de São José do Egito, feito pelas mãos de Mestre Zé do Pife, segue entremeado agora nas veredas cerratenses mineiras, nas mãos de Seu Zeca, marido de Geralda, anfitriões da velha Fazenda Menino. Salve Seu Zé do Pife, mestre de tantas e de tantos. Quem dera ver o encontro de Zeca e Zé. A teia é viva e trilhada…

IMG_6119
Foto: Mariana Cabral
IMG_6113
Foto: Mariana Cabral

.

 

.

DESAVERSOS (POESIAS)

Geralda

Pelo sertão dos Gerais, histórias de mulheres guerreiras brotam de veredas, de capoeiras, de areias. Histórias de um rio de vidas que se embrenha na seca sertaneja, abundante, vigorosa, sempre-viva, do seu jeito. Esses versos, nem de longe suficientes, é uma homenagem a uma dessas mulheres, Dona Geralda, mãe de coragem, que gera, contadora de histórias. Geralda, geral como os gerais. Matriarca de uma grande fazenda chamada Menino.

1.
Quando a vista se apaga,
e as pernas se cansam,
é a memória que a faz caminhar.

2.
Em casa antiga
De parede descascada
A senhora faz morada
Onde guarda o recordar
Mãe de coragem
Tem no fio da memória
A estrada da sua história
O eterno caminhar.

Keyane Dias — 09.07.15

10550969_10202483899764864_2647515288206420698_n
Foto: Mariana Cabral