Poemia

.

Da sagrada natureza,
surgem todas as canções.
Ou da alma de poeta,
que recria a vida
na métrica da palavra que avoa.

Canta, canta poeta!
E vai ao encontro dos teus.
Caminhantes, trovadores,
lua cheia e beija-flores,
o adeus dos teus amores.

Não esqueças de tua alma,
viajeira e indomada.
E repares que a tua dor
desfaz-se em verso na estrada.

Coragem!
Cada um tem seu fardo,
tem bagagem pra seguir.
Na tua senda tens a sina
de sentir o mundo em ti.

Não te cales!
Transmuta em palavra
o que não é teu.
Cada verso é a cura
que a Terra te deu.

Escuta!
Tens o silêncio do vento
e o mítico gorjeio dos pássaros.
Tens a canção das águas
no chão que acolhe teus passos.

É a solitude
a mãe da tua liberdade.
E é a liberdade
a mãe da tua aldeia.

Canta!

Key Dias — 30.03.17

Um comentário sobre “Poemia

  1. Pingback: Poemia — Além das Paredes – escreversonhar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s